Carta do ceo

Na Kinross, acreditamos que o setor de mineração tem uma oportunidade única para impactar de forma positiva e duradoura a vida de indivíduos, comunidades e até mesmo países.

Quando administrada de forma responsável e respeitosa, a mineração gera empregos bem pagos em locais frequentemente remotos, oferece treinamento fundamental de capacitação e educação, apoia serviços carentes da comunidade, promove contribuição fiscal e protege o meio ambiente ao diminuir impactos.

A longo prazo o poder da Kinross está em sua capacidade de gerar valor e retorno sustentável para nossos acionistas, empregados e comunidades e países onde operamos. Esta é uma responsabilidade que reconhecemos e tentamos promover em todos os aspectos dos nossos negócios.

Em setembro de 2012, lançamos O futuro jeito Kinross, um realinhamento da empresa focado na disciplina financeira e resultados lucrativos com base nos princípios da mineração responsável. O futuro jeito Kinross foi fundamental para que a Kinross compensasse a queda do preço do ouro para 28% em 2013, impactando diretamente o balanço, a estrutura de custos e o preço das nossas ações. Foram tomadas decisões difíceis para reduzir custos e reforçar nosso balanço, mas nosso compromisso com a saúde e segurança, meio ambiente e a comunidade segue igual.

Nossos empregados

A Kinross apresentou a menor taxa de lesões entre seus empregadosnos últimos dois anos, bem como zero fatalidades em 2013. Estes são os resultados de um esforço da empresa em promover uma cultura de segurança em todos os níveis da empresa. Gerentes e supervisores focam em indicadores e práticas de prevenção, incluindo reuniões, treinamentos e inspeções regulares para aumentar a conscientização e acompanhar o progresso. Essa responsabilidade compartilhada teve um impacto mensurável em nosso registro de segurança; em nossas operações de Tasiast, na Mauritânia, por exemplo, as lesões com afastamento se reduziram drasticamente, de 11 em 2011 para zero em 2013.

Como outros produtores de ouro, que enfrentam custos crescentes e preços de ouro mais baixos, a Kinross teve que limitar sua mão de obra em algumas operações e em sua sede. Suspendemos operações economicamente marginais em nossa mina de La Coipa, no Chile. Também adiamos a decisão de iniciar a expansão da usina de Tasiast, o que resultou em um ajuste da mão de obra da mina refletindo a escala atual das operações. A empresa também não chegou a um acordo com o governo do Equador para desenvolver o projeto Fruta del Norte e encerrou as atividades no país em 2013.

Embora essas decisões lamentavelmente significassem abrir mão de alguns de nossos trabalhadores, tomamos medidas para apoiá-los seguindo as melhores práticas das diretrizes da International Finance Corporation. No caso de La Coipa, por exemplo, primeiro tentamos alocar trabalhadores para vagas disponíveis da mina de Maricunga e para aqueles que não foi possivel realocar, implementamos um programa de recolocação, publicando inclusive um compêndio da mão de obra de La Coipa que foi distribuído entre outras empresas de mineração locais.

Apesar das condições do mercado, a Kinross continua a engajar seus empregados e apoiar sua capacitação. Um exemplo disso é nosso centro de treinamento da mina de Kupol no extremo oriente da Rússia, uma região que tradicionalmente passa por uma intensa migração. O centro tem oferecido treinamento fundamental de capacitação para quase 2.000 empregados desde 2008 em uma gama de funções de grande demanda, de operador de equipamento pesado a eletricista. O treinamento não apenas fortaleceu capacidades estabelecidas em nossas operações da Rússia, como também proporcionou aos empregados locais oportunidades de promoção.

Veja nosso estudo de caso sobre treinamento em Kupol.

Parceria com as comunidades

O engajamento da comunidade é um dos fundamentos da mineração responsável e o sucesso de nossas operações no dia a dia. A Kinross estabelece fortes relações com a comunidade com base em respeito, parceria e diálogo bilateral – princípios e práticas que continuamente medimos, avaliamos e melhoramos através dos nossos planos de responsabilidade do local (Site Responsibility Plans – SRPs). Em 2013, a Kinross engajou mais de 84.000 stakeholders em todas nossas operações e até hoje não teve nenhum problema ou atraso em licenciamentos ambientais por causa das manifestações desses stakeholders.

Nossas operações em Paracatu no Brasil localizadas a menos de um quilômetro da cidade que possui cerca de 90.000 habitantes, exemplificam o papel central do engajamento da comunidade ao manter nossa licença para operar. A Kinross trabalha diretamente com membros da comunidade local para monitorar os impactos de suas atividades na mina, como explosões, e por isso instalou uma linha direta 24 horas para atender rapidamente às reclamações da comunidade. Veja nosso estudo de caso sobre o monitoramento realizado pela comunidade em Paracatu. Através do nosso programa Integrar, trabalhamos com a comunidade de Paracatu para apoiar programas que estimulam capacitação, treinamento, empreendedorismo, sustentabilidade e geração de renda. Em 2013 mais de 10.000 foram atendidas pelo programa. Recentemente, o Governo do estado de Minas Gerais reconheceu este programa como uma das melhores iniciativas de apoio às metas de desenvolvimento do milênio (Millennium Development Goals – MDGs).

Preservação ambiental

Manter altos padrões ambientais e minimizar impactos operacionais são uma parte fundamental de nossa licença para operar. Continuamos progredindo em nossa estratégia plurianual de água. Em 2013, também concluímos a certificação de código do cianeto para nossa operação de Chirano em Gana. Houve também desafios. No Chile, recorremos, com sucesso, do processo de sanção, que já tinha resultado em uma multa por não conformidades no licenciamento nas Operações em Maricunga. Em junho de 2014, a multa foi anulada pela corte de Meio Ambiente e a Agência Ambiental chilena foi requisitada a reconsiderar a questão.As não conformidades, que foram informadas pela própria empresa, não tiveram impactos na saúde ou no meio ambiente. Maricunga foi multada em aproximadamente US$ 40 mil no final de 2013 por causa da drenagem de uma área do pantanal de Altiplano conhecida como “bofedal”. Leia mais. LINK para a tabela de intervenientes.

Ao mesmo tempo, tanto as nossas operações de Fort Knox, no Alasca, como nossas operações de Paracatu, em Minas Gerais - Brasil, demonstram a capacidade de minas antigas de coexistir de forma sustentável com ecossistemas e populações adjancentes. No começo de 2014, o prefeito de Paracatu divulgou os resultados de um estudo independente que, semelhantes aos estudos epidemiológicos comissionados pela Kinross em 2012, descobriu que o arsênio encontrado naturalmente no minério não apresenta riscos à saúde da população por causa da mineração. Da mesma forma, Fort Knox está resolvendo questões provocadas pelo garimpo tais como: a recuperação e monitoramento contínuo de uma área de pantanal a menos de 5 km rio abaixo de seu depósito de resíduos, que abriga agora um criadouro de peixes, castores, águias e alces. Veja o estudo de caso sobre Fish Creek.

Construindo uma base para o futuro

A mineração tem uma oportunidade única de transformar os recursos minerais do subsolo em uma base mais próspera nas comunidades e países onde opera . A atuação dos benefícios econômicos que a Kinross começou a mapear em 2011, sublinha as contribuições fiscais locais, criação de empregos, aquisição interna e investimentos na comunidade. Em 2013, 88 % da receita da Kinross foram gastas nos países onde atuamos através de salários, compras e impostos; 97% da nossa mão de obra foi contratada localmente e 74% dos nossos produtos e serviços foram adquiridos internamente.

Esse impacto econômico positivo é mostrado acentuadamente nas áreas de influência ao redor das minas. Por exemplo, a partir de uma pesquisa conduzida em 2013 por sociólogos mauritanos nas proximidades de nossas operações de Tasiast descobriu-se que o número de famílias vivendo abaixo da linha de pobreza tinha sido reduzido a menos da metade desde 2011 e a taxa de desemprego tinha caído de 47% para 24%. Este progresso pode ser parcialmente atribuído à parceria da Kinross com a cooperativa local de beduínos, cujos 35 membros receberam alfabetização e treinamento em capacitações comerciais. Os mesmos foram contratados para oferecer transporte e manutenção a Tasiast. LINK para o caso de estudo/vídeo de Tasiast.

Olhando para o futuro

Continuaremos a explorar oportunidades para melhorar nossas parcerias e a forma como monitoramos, mitigamos e medimos nossos compromissos e impactos.

As prioridades incluem o lançamento de um rigoroso plano de prevenção de fatalidade que faz parte do nosso programa de segurança, o desenvolvimento contínuo de nossa estratégia de conservação de água e a certificação do código do cianeto para Tasiast, que colocará todas as nove operações em conformidade com o código internacional de gestão de cianeto. Nosso programa de eficiência energética global, uma parte fundamental da iniciativa O futuro jeito Kinross continuará focado na melhoria da eficiência energética, redução de custos e das emissões de gases de efeito estufa em nossas operações. Em meados de 2015, está previsto o fechamento de nossas operações em Kettle River-Buckhorn no estado de Washington. Estamos trabalhando em conjunto com a comunidade, empregados e agências locais para desenvolver um plano de transição abrangente que facilite um legado positivo e duradouro na área.

Pela primeira vez este ano, nosso relatório de responsabilidade corporativa (CR) apresenta garantias independentes, limitadas em cinco áreas fundamentais: segurança, energia, emissão de gases de efeito estufa, uso de água e geração de rejeitos. Ao dar este passo adicional, nossa meta é assegurar um alto nível de transparência para oferecer aos stakeholders maior confiança a medida que conhecem nosso desempenho. Nenhum desses desempenhos seria possível sem o trabalho árduo e dedicação de nossos empregados e o apoio das comunidades e países onde operamos. Estou orgulhoso do que conseguimos e em nome da Kinross posso dizer que estamos comprometidos em sermos os melhores nas parcerias, junto aos membros da comunidade e como empregadores.

J. Paul Rollinson
Presidente e CEO
Kinross Gold Corporation